Abertura da Colheita do Arroz

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
Assine 5

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos

notícias

20.02.2021 | MERCOSUL - por Hebert Dell'Onte / La Mañana

Alfredo Lago: os arrozeiros uruguaios aspiram a um bom ano produtivo

Excesso de chuva, frio e dias nublados preocupam arrozeiros do país vizinho

imagem Arroz em floração: época ruim para excesso de chuvas Foto: Eduardo Apolinário

O presidente da Associação de Cultivadores de Arroz do Uruguai (ACA), Alfredo Lago, analisou os novos desafios que enfrenta o setor com os dias nublados e pouco calor, ao cultivo da soja em campos arrozeiros e se referiu a importante venda de 60 mil toneladas de grão beneficiado ao Iraque a um muito bom preço. 

As últimas chuvas representaram um alívio para os diversos setores agrícolas do país, um dos exemplos mais claros e fortes foi a pecuária cujos valores se refletiram nos últimos dados  fornecidos nos diversos leilões e feiras agropecuárias do Uruguai.

No entanto, o volume de água recebido também criou desafios e novas preocupações. O presidente da ACA, Alfredo Lago, explicou que o arroz precisa de muita água, mas dias sem luz e calor atrasam o desenvolvimento da cultura; e quem plantou soja em campos com características de arroz, agora se ocupa drenando as áreas por causa do excesso de chuva. Ele também se referiu ao acordo feito para reduzir o custo do combustível na produção rizícola uruguaia.

Quando começaram o plantio, os arrozeiros estavam "preocupados com o volume represado de água e se ela chegaria para irrigar as lavouras até o final dos ciclos, mas no final de janeiro a situação se inverteu" a ponto de "já haver represas que foram recuperadas" assim como os rios ou a lagoa Merin. “Então a preocupação hoje não é a capacidade de irrigação, nesse sentido estamos bem”, observou Lago.

O desafio é que “dias de chuva também são dias sem sol e com baixas temperaturas, e obviamente nesta época de amadurecimento, enchendo grãos, não é o melhor clima nem o que se deseja”, disse.

Em todo caso, considerou que “estamos vivenciando bons anos em termos de potenciais de desempenho e se não houver nenhuma catástrofe é muito provável de que tenhamos mais um ano de boa produção."

Ele também alertou que a agricultura “pode passar de uma situação a outra muito rapidamente”, como vimos com as chuvas recentes, por isso é provável que haja variações no potencial da cultura.

Estima que é preciso ter cautela com o resultado final da safra, pois a valorização ainda é boa, em termos de mercado, mas é preciso torcer para que os cenários esperados acabem se concretizando, embora as aspirações são de que nós produtores continuemos tendo um bom ano em termos de produção. "Ainad faltam muitos dias para terminar de definir a produtividade e o clima continua a jogar”.

Outro fator importante mencionado por Lago é que “o clima também tem muito a ver com o período de colheita. Uma safra de clima seco permite que todos os quilos do campo sejam arrancados, mas se for uma safra chuvosa fica mais lenta e isso acaba afetando a produtividade e podem ficar algumas plantas intocadas. Por isso não há nada totalmente definido”.

Quanto à possibilidade de a umidade gerar problemas à sanidade das plantas, “temos que estar atentos às doenças relacionadas aos fungos, mas estamos usando variedades resistentes” além de o manejo fitossanitário preventivo que é feito", revelou.

A realidade da soja é outra, uma cultura cuja presença é cada vez mais evidente nas áreas de cultivo de arroz. A este respeito, o presidente da ACA disse que a oleaginosa teve um bom desenvolvimento por causa da humidade necessária quando necessitou. 

“Houve um período de déficit hídrico, basicamente em dezembro, mas as chuvas do final de janeiro foram muito bem-vindas porque“geraram um aumento dos potenciais de produção”.

O problema, segundo Lago é que no ano choveu mais de 400mm e nos solos dos arrozais, que são baixos e pouco permeáveis, este sempre é um complicador.

O positivo é que “os produtores de arroz que têm soja na lavoura também elevaram a sua capacidade de drenagem, pois a soja não pode ficar alagada por mais de 48 horas". Hoje em dia já houve “alguma soja perdida” e há “lotes que podem ser afetados, mas o restante das áreas teve um desenvolvimento muito bom, então ainda acreditamos que é muito provável que tenhamos um bom potencial de rendimento”.

“Hoje se preocupa mais em retirar a água do que se preocupava com a falta dela antes das chuvas”, acrescentou.

Acordo ACA com Ducsa e Petrobras

Uma das vulnerabilidades da produção em geral e que o arroz também sofre é a dos preços dos combustíveis. Para resolver esse problema, a ACA fechou um acordo com a Ducsa e a Petrobras, pelo qual os parceiros da instituição podem ter desconto de 10% nos dois selos. A redução vale a pena por si só, mas também pode marcar um caminho para outras instituições que buscam baratear custos.

“Os acordos com a Dusca e a Petrobras são semelhantes, em torno de um desconto de 10% em relação ao preço da bomba”, disse Lago. O requisito é ser sócio da ACA, pois quem não estiver associado não participa, mas pode aderir a qualquer momento e participar do benefício

Importantes exportações de arroz para o Iraque e acordo de preços

Alfredo Lago anunciou que em abril e maio partirão dos portos de Montevidéu com destino ao Iraque dois navios com 60.000 toneladas de arroz. “Depois de mais ou menos um ano voltamos aos negócios com o Oriente Médio e o fazemos muito bem quantificado. Os países licitadores foram Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Nosso preço foi o mais alto, mas como a qualidade foi valorizada, acabamos ganhando”, disse.

O valor da transação é de US $ 699 por tonelada colocada no Iraque, "é um preço muito bom" que está em linha com os valores da América do Norte e de países asiáticos que estão negociando muito bem ".

Por outro lado, referiu-se ao fato de que “semana passada tivemos o resultado da arbitragem da safra 18/19, o resultado foi de US $ 9 por saca”.

Lago disse que os produtores “poderiam ter mais expectativas” sobre o preço da saca, “mas de certa forma o resultado final, não só o econômico, mas também todo o processo de arbitragem e como está nosso tratamento dentro da indústria do arroz. , Acho que também tem coisas muito valiosas. Assim entendemos que o resultado final está em conformidade, satisfaz os produtores e também em particular a diretiva da ACA ”.


Enviar notícia para um amigo

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2021 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio