Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
banner5

notícias

16.05.2020 | SAFRA - por Cleiton Evandro dos Santos - AgroDados - Planeta Arroz

Base produtiva de arroz ameaçada na Índia

Os principais estados produtores indianos Punjab e Haryana pressionam para substituir o arroz por algodão e milho.

imagem Redução dos lençóis freáticos e mão de obra afetarão safra indiana Foto: Divulgação

Punjab e Haryana, dois principais estados arrozeiros da Índia, correm o risco de perder seu status de base produtiva de arroz, pois as autoridades tentam convencer os agricultores a mudar para o algodão e o milho.

A explicação oficial é que o encolhimento dos lençóis freáticos nos dois estados do norte do país hindu fez da distante ideia de diversificação de culturas, em lugar do cultivo intensivo do arroz, uma prioridade urgente.

Mas os agricultores dizem que a verdadeira razão da súbita urgência é a escassez de mão-de-obra agrícola desencadeada pelo bloqueio de Covid-19 no país, que está começando a diminuir.

Nos dois estados, cerca de um milhão de trabalhadores, principalmente de Uttar Pradesh e Bihar, realizam a maior parte do transplante de arroz a cada ano.

Mandeep Singh está entre os agricultores preocupados em encontrar ajuda com a colheita. Ele cultiva 40 acres em Nabha, uma subdivisão do distrito de Patiala em Punjab, cerca de 290 quilômetros ao norte de Delhi.

Nossos trabalhadores de semear arroz estão presos em Bihar", disse ele recentemente à Asia Focus. "Eu tenho pedido que eles retornem, mas devido à suspensão total do transporte público, como eles chegarão?"

Na semana que passou a situação começou a normalizar, mas muitos trabalhadores ainda não quiseram viajar.

O processo de semeadura de arroz começa neste mês e normalmente dura até o final de junho. É uma operação extremamente trabalhosa se realizada através do transplante de mudas. A alternativa é usar uma máquina de semeio direto (DSR), mas comprar ou alugar uma é muito caro pra realidade dos agricultores da Índia.

O governo de Punjab está pressionando para aumentar as áreas de plantio de milho e algodão para 550.000 hectares em 2020-21, de 392.000 hectares na última temporada. Embora isso possa ajudar a aliviar a pressão no lençol freático, não há como negar que a escassez de mão-de-obra poderia ajudar o estado a atingir suas metas se os produtores de arroz se sentirem compelidos a mudar.

Singh, porém, descarta a idéia de diversificar para algodão, milho ou outros grãos que demandem menos água. Enquanto o arroz consome muita água, o mesmo ocorre com o algodão e, de qualquer forma, ele não tem certeza de que as condições locais do solo são adequadas para outras culturas. Certo é que o método DSR é muito caro para ele.

"Comprar uma máquina DSR custaria 900.000 rúpias (US$ 11.790)", diz ele. "Um pequeno agricultor como eu não tem tanto dinheiro. Além disso, quem gastará tanto dinheiro em uma máquina que será usada apenas uma vez durante o ano?"

Singh diz que agora está considerando arrendar sua fazenda se não puder se dar ao luxo de administrá-la.

O governo de Punjab, no início deste mês, passou a tratar das preocupações dos agricultores oferecendo um subsídio de até 50% na compra de máquinas DSR para arroz e milho. As autoridades disseram que a adoção mais ampla do equipamento beneficiaria imensamente o estado na economia de água subterrânea e ajudaria os agricultores a combater a falta de mão-de-obra.

Pritam Singh Hanjra, um agricultor no distrito de Panipat, em Haryana, cultivou arroz em mais de 100 acres de terra por anos. "Mas como vamos cultivá-lo desta vez? Não há mão de obra, meus trabalhadores estão presos no distrito de Supaul, em Bihar", diz. Ele tem implorado às autoridades do governo estadual que enviem um trem para trazer os trabalhadores de volta.

Hanjra também rejeita a sugestão de que ele cultive algodão, milho ou cana-de-açúcar no lugar do arroz. "Não há infraestrutura para o algodão", diz ele. "Onde estão as sementes, pesticidas e mercados de algodão no leste de Haryana? Além disso, nosso solo não se adequa à produção de pluma".

O algodão é cultivado principalmente nas partes sul e oeste de Haryana, enquanto os preços do milho simplesmente não são atraentes, acrescenta ele.

Shamsher Singh, um agricultor em Sirsa, no oeste de Haryana, cultivou algodão no ano passado, mas perdeu dinheiro com o empreendimento. Ele disse que o governo fixou um preço mínimo de suporte (MSP) de 5.450 rúpias (US $ 71) por quintal indiano (100 kg), mas ele teve que vender sua colheita por 5.000 rúpias por quintal, porque ninguém estava preparado para pagar o MSP.

Porém, pequenos e marginais agricultores, diferentemente dos operadores de fazendas maiores como Singh e Hanjra, não têm problemas em mudar de arroz para algodão ou milho, pois contratar trabalhadores é menos um problema para eles.

Punjab e Haryana são há muito considerados a base produtiva de arroz da Índia, com a colheita cobrindo 4,5 milhões de hectares nos dois estados. Mas o alto consumo de água teve consequências. No Punjab, a proporção de água extraída e recarregada é de 165:100 litros. Em Haryana, o lençol freático diminuiu um metro por ano desde 2013.

Em Haryana, 60% dos 128 blocos de águas subterrâneas se tornaram "zonas escuras" devido à superexploração. Em Punjab, distritos como Sangrur, Moga e Jalandhar esgotaram-se. A produção de um quilograma de arroz consome cerca de 5.000 litros de água.

Os dois estados estão promovendo a diversificação de culturas para mitigar a crise da água. Haryana estabeleceu uma meta de 50.000 hectares de terra para diversificação no ano passado, mas não conseguiu alcançá-la. Este ano dobrou a meta.

O ministro da Agricultura de Haryana, Jai Prakash Dalal, reconhece que o arroz não tem correspondência quando se trata de lucratividade. "Este ano, os legumes caíram. As aves caíram", diz ele.

Os preços globais são os mais altos em vários anos, devido à escassez de oferta resultante de dois fatores principais: seca na Tailândia e, mais recentemente, interrupções na logística causadas pela pandemia global.

Sutantar Kumar Airi, diretor de agricultura e bem-estar dos agricultores em Punjab, sustenta que o plano de diversificação de culturas não foi desencadeado pela falta de mão de obra agrícola. Ele disse que seu objetivo era salvar o lençol freático.

"A situação se tornou alarmante. Em Sangrur, estamos extraindo 265 litros de água subterrânea para cada 100 litros de água recarregada", disse ele. O estado adicionou 175.000 hectares para o cultivo de milho e algodão em 2019-20.

Com a produção de arroz caindo em Punjab e Haryana, o estado de Telangana, no sul, está emergindo como o novo celeiro de arroz do país, produzindo cerca de 22,5 milhões de toneladas  na última temporada.

As autoridades estatais vêm promovendo agressivamente a expansão do plantio de arroz, com a área dedicada ao cultivo mais do que duplicando nos últimos anos. Sistemas de irrigação aprimorados e a construção de armazéns para aumentar a capacidade de armazenamento em 4 milhões de toneladas também ajudaram.

A produção em Punjab foi estimada em 17 milhões de toneladas na última temporada, e a quantidade em Haryana foi ligeiramente menor. A produção total da Índia foi de 115 milhões de toneladas. (Com agências internacionais)




Enviar notícia para um amigo

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2020 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio