Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
banner5

notícias

21.03.2020 | CONSUMO - por Agora/SP

Supermercados restringem as vendas de alimentos

Algumas unidades já estão com as prateleiras vazias; produtos de limpeza também estão em falta

imagem Carrinhos cheios nos supermercados são rotina diante do medo do novo Coronavírus Foto: Rivaldo Gomes/FP

Os supermercados da capital paulista já estão com algumas prateleiras vazias, limite de compra de produtos básicos e falta de álcool em gel. O Agora percorreu, nesta sexta-feira (20), seis supermercados da capital paulista nas zonas leste, oeste, norte e centro. Na zona oeste, o médico aposentado William Assad Júnior, 68 anos, afirmou ter tido dificuldade para encontrar produtos de limpeza, como água sanitária. “Estou observando que ainda há todos os produtos, como detergente, sabão, sabonete, mas só das marcas mais caras. As mais em conta, o povo levou tudo.”

Ele encontrou o último galão de água sanitária da loja após quase 30 minutos de buscas. O médico afirmou ter ido ao mercado para suprir o estoque de sua casa, onde pretende permanecer “até que tudo isso acabe.”

Na zona norte, a reportagem esteve em três mercados. Em um deles, na Freguesia do Ó, a comerciante Maria Emília Durazzo, 63, afirmou que teve dificuldades para encontrar a marca de arroz que costuma consumir, além de não encontrar atum em lata, o que foi constatado pela reportagem. “Fui em outro mercado, antes deste. Não achei nele nada do que como. Neste aqui ainda tem alguma coisa.”

Muitos idosos, com máscaras, circulavam pelos corredores com carrinhos, comprando itens básicos de alimentação e higiene. Com exceção do mercado da região central, todas as demais unidades visitadas disponibilizavam álcool em gel na entrada e dentro das lojas.

Com o estacionamento cheio e carrinhos entrando e saindo a todo momento, um supermercado da zona leste está limitando a compra de produtos como água mineral, arroz, feijão, leite, açúcar, óleo e café. Na entrada, há um cartaz de conscientização sobre o novo coronavírus.

“Ela que gosta de escolher”, conta a operadora de caixa Jacqueline Silva Vieira, 43, sobre a mãe. Nesta sexta-feira, ela foi ao supermercado para encontrar a aposentada Maria Domingues, 73, e comprar o essencial.

Para Jacqueline, “não há necessidade de comprar muito de uma vez, as pessoas que estão apavoradas”. A aposentada Silvia Cristina Rocha, 55, comenta que falta álcool em gel no supermercado e farmácias em que foi. Silvia afirma que até hoje, estava seguindo sua rotina normalmente, mas a partir de agora vai se “resguardar em casa”.

Os clientes comentam que os preços dos produtos aumentaram. A cozinheira Geiza da Silva, 32, não pretende voltar ao mercado tão cedo. Ela entrou de férias nesta sexta-feira e resolveu fazer a compra do mês. “Agora vou ficar em casa”, diz.

Todos os mercados em que o Agora esteve estão limitando as compras de produtos básicos como arroz, feijão e leite.

Família vai ao mercado com suspeita de coronavírus

Um jovem fazia compras, nesta sexta-feira (20), acompanhado pela mãe e pela namorada, em um supermercado na Freguesia do Ó (zona norte da capital paulista). Todos eles usavam máscaras de proteção.

O jovem afirmou que há 14 dias ele e a mãe estão “com sintomas de gripe”. “Há dias em que estamos bem, em outros dias nem conseguimos sair da cama. Nós fomos em hospitais, mas sempre nos liberam. Eu tenho quase certeza que estamos com o coronavírus, mas creio que o sistema de saúde só atende quem está morrendo”, desabafou o rapaz.

A mãe afirma que resolveram ir ao mercado para fazer a compra mensal, tempo em que pretendem ficar em casa de quarentena, por conta da pandemia de coronavírus. “Por causa do momento atual e como estamos com sintomas, vamos nos isolar.




Enviar notícia para um amigo

comentários (1)

23/03/2020 - Edereson Diehl ( - AC)
Os supermercados tem q acelerar a logística, pq é situação fora do normal, onde somos todos amadores, como você vai restringir uma pessoa q queira se isolar um meio ano por exemplo. Tem q melhorar o desempenho pra evitar circulação desnecessária de pessoas.Como no caso da mãe e do jovem q estão circulando meio mês com vírus, provavelmente desenvolvendo um quadro de pneumonia grave, e como a saúde não resolve isso, quantas idas e vindas, isso já é caso indenizatório grave desse jovem e dos q forem infectados por ele contra o Estado .SDS

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2020 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio