Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
banner5

notícias

13.02.2020 | SAFRA - por Cristiane Betemps/ Embrapa Clima Temperado

Aplicativo de celular para manejo em arroz irrigado é resultado de pesquisa pública

Termo de intenção é assinado junto a empresas privadas para garantir desenvolvimento de pesquisa em sistema de sulco-camalhão

imagem Aplicativo de celular para manejo em arroz irrigado é resultado de pesquisa pública Foto: Paulo Lanzetta / Embrapa

Embrapa, UFSM, IRGA e INMET são os autores da nova solução tecnológica que realiza projeções de manejo e produtividade do arroz, por estádio de desenvolvimento, cultivar e município. A versão Web já está disponível e, nos próximos dias, o aplicativo estará disponível no Google Play. Quatro instituições públicas juntam esforços e lançam a nova tecnologia para colaborar na produção de arroz: o aplicativo para estar na palma da mão do orizicultor, o PlanejArroz.

A Embrapa, UFSM, IRGA e INMET realizaram o ato oficial de lançamento nesta quarta-feira, 12/02, às 15h40, dentro da programação da Federarroz, na 30ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz, na Estação Experimental Terras Baixas, Capão do Leão/RS. No estande institucional da Unidade de pesquisas, às 18h30, os parceiros voltaram a apresentar a solução tecnológica, considerada pelos pesquisadores, inédita e que faz parte da agricultura digital.

O pesquisador Silvio Steinmetz apresentou a história de como nasceu o PlanejArroz, seus resultados, fez algumas simulações de acesso do aplicativo na web e seu funcionamento, vantagens de uso para o orizicultor, levantou desafios a serem vencidos e destacou a importância da parceria para tornar o estudo um produto acessível, gratuito e moderno.

O PlanejArroz (http://planejarroz.cpact.embrapa.br)

O PlanejArroz foi desenvolvido num período de 15 meses, mas está baseado em 15 anos de pesquisa, incluindo os estudos de fenologia/graus-dia e produtividade. No primeiro módulo o aplicativo utiliza o método de graus-dia para estimar a data de ocorrência de seis estádios de desenvolvimento das cultivares recomendadas - 41 cultivares - na média dos anos e na safra, visando o planejamento e a tomada de decisão sobre o manejo da cultura. O produtor escolhe o município da sua lavoura, sendo disponibilizada a consulta a 131 cidades gaúchas. As recomendações prestadas pelo aplicativo são da Sociedade Sul Brasileira de Arroz Irrigado (SOSBAI).

O segundo módulo utiliza o modelo SimulArroz para estimar a produtividade de grãos, na média dos anos e na safra, das três cultivares mais semeadas no Estado - IRGA 424RI, Guri INTA CL e Puitá INTA CL.

"Essa ferramenta vai melhorar o manejo da lavoura. O produtor tem uma cultivar importante e produtiva, mas ela não tem o rendimento esperado na lavoura pelo fato de o produtor não fazer o manejo correto. O aplicativo, então, planeja e ajuda o produtor a tomar a decisão de realizar as práticas de manejo e adequar as informações conforme a safra", destacou o pesquisador Silvio Steinmetz, que coordenou o estudo ao lado dos parceiros públicos.

Para o pesquisador a confiança é depositada no aplicativo no desejo que ele seja um auxílio ao produtor, que as práticas de manejo sejam aplicadas de maneira certa e no tempo certo. "A grande novidade é a produtividade e só foi possível esse produto ser lançado pelo esforço de quatro instituições públicas", ressaltou Steinmetz.

O programador Rômulo Benedetti, da UFSM, é um dos co-responsáveis pelo funcionamento do aplicativo. Ele explicou que a tecnologia cria uma interface na versão Mobile, aonde integraram outros dois modelos de software, o SimulArroz ao GD Arroz, o que resultou o PlanejArroz. O software PlanejArroz atende aparelhos modelos Android, por questões financeiras, e tem seu funcionamento na versão no celular, com acesso a internet ao servidor para obter as informações das rodadas. "Nós priorizamos colocar informações mínimas, apenas o que é necessário, não exagerar em texto, facilitar em termos de organização e obtenção dos resultados, e tem a opção do usuário guardar e organizar resultados para acessar futuramente, sem ter acesso a internet", explicou Benedetti.

Os parceiros públicos

O parceiro do IRGA Ivo Melo exaltou o esforço da equipe e a satisfação do Instituto fazer parte dessa contribuição ao setor orizícola, onde juntos estão fazendo a mudança na agricultura dos anos 70 e em fazer parte desse processo vencedor.

"Através desse produto vimos a aplicação de nosso trabalho de forma mais efetiva, pois os dados coletados não são apenas dados pra fazer um banco de informações, mas sim que compõem um produto que servirá, de fato, ao produtor",disse o assistente técnico do diretor do INMET, Mozar Salvador.

O vice-reitor da UFSM, Luciano Schuch, reforçou a importância da tecnologia ser um resultado em benefício de quem precisa, que é o produtor rural. "Essa solução não é feita para nós, mas pra quem realmente precisa aplicar essas tecnologias, de forma a aumentar a produtividade da agricultura, e tornar cada vez mais forte e próxima a agricultura 4.0", considerou Schuch.

Apresentação da BRS A705

Uma opção para orizicultura gaúcha foi anunciada, com a apresentação da BRS A705, uma futura cultivar de arroz irrigado que a pesquisa vem trabalhando há alguns anos, pois é uma evolução da BRS Pampa. É um produto precoce, alia resistência ao acamamento, produtividade e qualidade de grãos. Os visitantes da 30ª Abertura da Colheita poderão visualizá-la em parcelas em exposição nas Vitrines Tecnológicas, na área da Embrapa. "Essa apresentação nos recompensa pelo estímulo e pela parceria que a gente encontra nestes anos de trabalho e por fazer essa entrega aos produtores para dar avanços de produção à cadeia produtiva do arroz" , disse o melhorista genético Ariano Magalhães, que conduziu o trabalho de pesquisa. 

Assinatura de acordo de cooperação

O ato no estande institucional oportunizou também a assinatura de um termo de intenção para validação e difusão do sistema de sulco-camalhão em área sistematizada nas terras baixas do Rio Grande do Sul, para cultivo irrigado de soja e outras espécies. Assinaram o documento o diretor técnico da Pipe Brasil, Julio de Assis Brasil Filho; o sócio-diretor da Centeno & Bergamasco, Amilcar Silva Centeno; o gerente de vendas regional da Trimble Brasil, Rodrigo Ribas; o diretor comercial da AGCO América do Sul, Eduardo Nunes, e o chefe-geral, Roberto Pedroso de Oliveira.




Enviar notícia para um amigo

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2020 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio