Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
banner5

notícias

13.01.2020 | ANáLISE DE MERCADO - por Cleiton Evandro dos Santos - AgroDados - Planeta Arroz

Estiagem e vendas externas reforçam a valorização do arroz

Conjuntura é favorável aos preços, mas os prejuízos são contabilizados nas lavouras de arroz e nas culturas alternativas

imagem Produto valoriza porque deve ser mais escasso em 2020/21 Foto: Robispierre Giuliani

Parece que é a sina do arrozeiro: ou tem preço ou tem produto. Os dois juntos é para raros felizardos. Neste final de temporada mais uma vez o cenário é esse. Os preços do arroz em casca seguem trajetória de alta. Depois de acumularem valorização de 1,7% em dezembro, nos 12 primeiros dias de janeiro de 2020 acumularam mais 1,23%, com a saca de 50 quilos do arroz em casca (58x10) cotada a R$ 48,63 pelo indicador de preços Esalq-Senar/RS. Em dólar, no entanto, houve uma desvalorização. Caiu de U$ 11,96 no final de dezembro para U$ 11,92, em função das variações da moeda norte-americana.

Essa valorização tem causa e razão bem claras. A expectativa de uma safra ainda menor do que o projetado inicialmente, uma vez que as chuvas de setembro/outubro atrapalharam o plantio e os primeiros tratos culturais, e a estiagem em dezembro e janeiro chegou a comprometer lavouras irrigadas por cursos d´água de menor porte ou barragens e açudes de menor capacidade. Ou seja, as estimativas iniciais de um recuo em área e produção agora também são afetadas, bem como a produtividade – que deveria ser positiva – deve ser bastante atingida.

Não é só isso. A estiagem também pega em cheio o produtor de arroz que faz rotação com soja. Há muitas áreas de soja, em especial na Depressão Central, em que as plantas não nasceram, nasceram de maneira irregular ou que simplesmente nem foram plantadas por falta de umidade.

E há pastagens prejudicadas também. Ou seja, quem também trabalha com pecuária, tem uma propriedade diversificada, foi atingido em frentes diversas. Vale lembrar que a soja – e o boi com melhores preços desde o ano passado – têm sido uma válvula de escape para os agricultores adotarem a estratégia de não ofertarem o arroz logo após a safra, esperando uma reação nos preços.

A expectativa de produção menor ainda do que a redução que já era prevista e a boa performance das exportações brasileiras, que vão de vento em popa, e nenhuma expectativa de que o dólar desvalorize significativamente perante o real, fazem com que o estoque de passagem passe a ser visto com mais atenção, pois deve ser o menor da última década, em que pese números oficiais nem tão positivos assim. E o mercado está fazendo esta leitura. A oferta do arroz em casca nesta temporada pode ser a menor da história recente da cultura, e isso mexe com as cotações, mesmo que muitas indústrias saibam que receberão bom volume na colheita graças ao sistema de financiamento por CPRs.

A expectativa segue sendo de que a colheita comece com a média de preços mais alta dos últimos anos, com um natural recuo no pico da colheita e nos meses de março a maio, mas em geral os analistas apostam numa recuperação mais cedo e mais rápida na medida em que o segundo semestre se aproxime. Mesmo com a possibilidade de aumento da importação.

Vale lembrar que o Mercosul também está colhendo menos, afetado por fenômenos climáticos similares aos que afetam o Sul do Brasil. Caso do Uruguai, o mais afetado. No Paraguai a safra já começou e é considerada “normal” pelos produtores do país vizinho. Segundo eles, não houve aumento de área e a produtividade teve pequeno avanço. A boa notícia é que o Paraguai espera exportar volumes muito superiores para terceiros países nesta temporada, o que não só é bom para os agricultores paraguaios, mas para o conjunto do Mercosul.

Mercado

A Corretora Mercado, de Porto Alegre, indica preços médios de R$ 49,50 para a saca de 50 quilos (58x10) no Rio Grande do Sul, enquanto o produto beneficiado (branco, Tipo 1) em envasado em 60 quilos é cotado a R$ 110,00. O canjicão, graças à redução da oferta e manutenção da forte demanda para exportação, evoluiu R$ 2,00 para R$ 67,00 por 60 quilos, enquanto a quirera, acompanhando o movimento, chegou aos R$ 44,00. O farelo de arroz também teve valorização para R$ 490,00 a tonelada (FOB).

Preço ao consumidor

Com os preços do arroz em casca em alta, notou-se também a evolução dos preços médios ao consumidor. O pacote de 5 quilos nos supermercados das capitais pesquisadas por Planeta Arroz está mais caro e raramente se acha produto com referência inferior a R$ 15,00. No Rio Grande do Sul ainda se encontra oferta de algumas empresas com o produto abaixo de R$ 10,00, mas são mais esporádicas e de marcas já reconhecidas por esta estratégia. Algumas das empresas hoje têm o arroz com participação mínima em seu negócio, dando prioridade à soja. O consumidor ganha com estas ofertas, mas ao contrário dos R$ 7,98 que se via até setembro, hoje as ofertas de marcas mais conhecidas não baixam de R$ 12,00.

 




Enviar notícia para um amigo

comentários (2)

14/01/2020 - Flavio Evandro (Santa Maria - RS)
Arroz chegou a outro patamar de preços. Finalmente. Para desespero dos picaretas e especuladores que me “sentam o pau” nesse espaço. Todos sabemos que só existe arroz papel. Estoques privados e públicos findaram. Como falei durante a colheita do ano passado nosso arroz deu exatamente para o ano inteiro e que não haveria desabastecimento. E se não é porque conseguimos exportar a quantia que eu pedia! Parabens aqueles que entenderam a proposta e reduziram area... Parabens aos que mudaram para a soja!!! A safra 2020/2021 depende muito de vocês... Não adianta nada vender arroz a R$ 50/60 se voltarmos a aumentar área. Para termos bons preços precisamos plantar menos, ofertar menos e exportarmos cada vez mais! Vencemos apenas uma batalha... A guerra ainda está longe porque na colheita não temos a garantia de preços justos! O produtor está aprendendo racionalmente que o negócio do arroz precisa ser melhor administrado (gerido) e, que, de nada adianta plantar 1 milhão de hectares para vender a R$ 37/42 na safra. Em de 2020/2021 que possamos rumar as 800.000/850.000 hectares aqui no RS... Essa área é o Ponto de Equilibrio para bons preços inclusive na colheita e para os CPRs também...
19/01/2020 - Henrique Cardoso (Palmares do Sul - RS)
Verdade Flávio Evandro! O produtor de arroz tem que evoluir na gestão da lavoura, tem gente que ainda está na idade da pedra esperando o dia de finados pra plantar, isso é coisa da idade da pedra. O agricultor tem que saber quanto custa cada parafuso que ele usa, tenho certeza que uma grande maioria nem tem ideia de quanto custa cada saco de arroz que produz. Grande abraço!

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2020 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio