Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
Assine 4

notícias

17.10.2019 | CRéDITO - por Noticias Agrícolas

Decisão do STJ sobre ressarcimento do Plano Collor é tardia, avalia SRB

Sociedade Rural Brasileira posicionou-se sobre a morosa decisão do STJ

Confira, abaixo, a íntegra do posicionamento e as orientações da Sociedade Rural Brasileira (SRB) aos agricultores sobre a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que reconheceu em sessão nesta quarta-feira, dia 16, o ressarcimento a agricultores por cobranças indevidas feitas em contratos de financiamento e crédito rural por ocasião da instituição do Plano Collor l, em 1990. A ação na Justiça foi iniciada pelo então presidente da SRB, o dirigente Pedro de Camargo Neto.

"Antes tarde do que nunca. Porém, é difícil comemorar uma vitória que demorou tantos anos para ser obtida. A lentidão da Justiça no Brasil é uma verdadeira injustiça.

Ao assumir o comando da República em março de 1990, o Presidente Fernando Collor de Mello assinou Medida Provisória visando estabilizar a economia, que vinha em espiral inflacionária de quase 90% ao mês. O Plano Collor, em pouco tempo, mostrou-se ineficiente, exigindo outra intervenção – o Plano Real – numa economia já sob a direção do Presidente Itamar Franco.

Foi o Plano Collor, contudo, que promoveu enorme desestabilização dos agricultores, que, na grande maioria, possuíam empréstimos de crédito rural. Ao pretender estabilizar o País, o Plano Collor manipulou a indexação da economia – fixou os preços dos produtos agrícolas, mas manteve a indexação baseada na inflação passada na dívida do agricultor.

A medida foi um desastre! Muitos produtores não sobreviveram, sendo marginalizados, com a pecha injusta de maus pagadores. Mesmo com a instalação de uma CPI que visava equacionar o endividamento, a questão ficou pendente.

Na Sessão da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, deste 16 de outubro de 2019, foi concluído o julgamento dos Embargos de Divergência da União Federal na Ação Civil Pública do Plano Collor. Estavam sendo discutidos os juros a serem pagos ao produtor quando o ente público for o acionado a devolver o diferencial de correção monetária, aplicado nos financiamentos agrícolas em março de 1990.

A Sociedade Rural Brasileira, liderada na ocasião pelo Presidente Pedro de Camargo Neto, e a Federação dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul (FEDERARROZ), por meio do advogado Ricardo Alfonsin, apresentaram-se como partes assistentes do Ministério Público Federal na Ação Civil Pública, desde 1994.

Nada mais impede a devolução dos valores. Todos os produtores têm direito à restituição. Na prática, o julgamento beneficia todos os produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, que possuíam financiamentos agrícolas – custeio, investimento –, junto ao Banco do Brasil S/A, com correção monetária vinculada à caderneta de poupança, emitidos antes de março de 1990 e quitados ou renegociados após essa data.

Será necessário ingressar em juízo contra o Banco do Brasil S/A ou a União Federal. O procedimento será de cumprimento de sentença (execução), e o produtor deverá comprovar o financiamento com o Banco do Brasil S/A à época. Os produtores que não disponham de todos os documentos necessários para a elaboração da conta, mas comprovem o financiamento, podem pedir, na própria ação, que o Banco forneça a documentação faltante."




Enviar notícia para um amigo

comentários (2)

20/10/2019 - Edereson Diehl ( - AC)
Sobrevivemos está época, onde muitos fazendeiros colocaram todo dinheiro na poupança e se ralaram. Tudo sempre tarde nesse país. Deveria ter prendido um presidente q atentou contra economia daqueles q promoviam o progresso do país. Pode ser qdo mudar todo time, as coisas mudem, falta limpar o congresso ainda, daí quem sabe o país alavanque mais rápido. Pq não me surpreenderá q com uma crise mundial, ao surgir os problemas internos, coloquem a culpa no governo atual. SDS.
20/10/2019 - Edereson Diehl ( - AC)
Vou fazer um comentário a parte aqui. É sobre os escândalos das pirâmides de Bitcoin. Fica o alerta máximo, NÃO EXISTE JUROS DE 1 A 5 % AO DIA OU MESMO 4% AO MÊS EM BITCOIN, DESCONFIE Q E GOLPE. SOMENTE COMPRE BITCOIN E GUARDE EM CARTEIRA PESSOAL SEGURA E NÃO ENTREGUE EM MÃOS DE TERCEIROS. BITCOIN SÓ SE ADQUIRE EM ECHANGE SERIA COMO FOXBIT, MERCADO BITCOIN E BITCOIN TRADE. MESMO ASSIM PODE HAVER FISHING COM NOME DELAS. SOMENTE ACESSE ELAS EM PAGINA ANONIMA DO GOOGLE CROMIUM. FIQUE ESPERTO, SE UM AMIGO OFERER ALTOS LUCROS EM BOTCOIN, DESCONFIE. PQ ESSES PIRAMIDEIROS SAO VERDADEIROS ATENTORES DA ECONOMIA LOCAL. EX. INVESTIMENTO BITCOIN, UNICK DA TEPORTAGEM DA GLOBO OU QQUER OUTRA Q OFERECA LUCROS ABSURDOS.ASSISTA VIDEOS DO CANAL DINHEIRO OU GRANA NO BOLSO OU CRIPTO TCHAPS Q VOCE ESTARÁ BEM INFORMADO.SDS.

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2019 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio