Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
Assine 4

notícias

22.08.2019 | SAFRA - por Alex Soares - Conexão Rural

No que aposta o presidente da Federarroz para vencer a crise

Federarroz tem sugerido uma negociação de dívidas em 15 anos e com juros de 4% ao ano

imagem Momento de encontrar soluções definitivas, segundo Alexandre Velho Foto: Alex Soares - Conexão Rural

"É o momento de encontrar as soluções definitivas para a questão estrutural da lavoura". Essa foi uma das afirmações repetidas pelo presidente da Federarroz, o produtor rural Alexandre Velho, nas duas palestras que proferiu entre a noite de terça-feira (20), quando participou do 5º Ciclo de Palestras do Sindicato Rural de Tapes, e o início da tarde de quarta-feira (21), quando falou na Reunião-Almoço do Sindicato Rural de Camaquã.

Para Velho, mesmo que negociações venham sendo intensificadas e, partir delas, o setor estar se beneficiando, como a recente prorrogação dos custeios, "é preciso bem mais", defendeu.

O dirigente se referiu as articulações no âmbito federal para solucionar o problema do endividamento dos arrozeiros. "A demanda já teve a sinalização positiva do governo Bolsonaro e está sendo tratada no Ministério da Agricultura e no da Fazenda", informou Velho, que tem sugerido uma negociação com ao menos 15 anos de prazo e juros de 4% ao ano.

Pela parte fazendária, entretanto, ele disse que em caso de a proposta ser aceita, haverá contrapartidas a serem cumpridas pelos produtores, como melhorar a gestão das lavouras e reduzir custos, como por exemplo, a revisão dos contratos de arrendamento.

Alexandre Velho se mostrou otimista com a futura tramitação da reforma tributária brasileira. É a chance, de acordo com ele, para corrigir históricas distorções, que fazem com o que empresas do centro do país prefiram importar a comprar do mercado doméstico, com o custo do ICMS embutido.

Em relação ao ICMS, a Federarroz e a Federação da Agricultura do RS encaminhou novo pedido ao governo estadual para isenção temporária do arroz com o objetivo de retomar a competividade no mercado doméstico e assim recuparar padrões mais satisfatórios de preços. Ainda não houve posicionamento oficial por parte das autoridades do Palácio Piratini. 

Exportações 

Ele também tocou em outros pontos, como exportação, informando que mesmo com a demora desde o anúncio, o mercado mexicano começa a ser aberto na prática com a venda do produto beneficiado, num primeiro momento. Alexandre também citou as praças da Nicarágua e do Panamá, na América Central, como prováveis futuros compradores do arroz brasileiro. 

Perdas generalizadas 

Por outro lado, Velho se mostrou preocupado com o futuro da produção gaúcha de arroz, já que a área plantada vem sofrendo diminuições neste últimos anos e o número de produtores, que já foi de 9.032 no Rio Grande do Sul, hoje é de 5.829.

O desistímulo e a crescente incapacidade de o produtor investir na lavoura é apontado por ele como principais causas pelo declínio. "Além dos produtores, o cenário traz prejuízo a muito mais gente, como os trabalhadores que atuam nas lavouras, aos comerciantes e aos prestadores de serviços locais", enfatizou.

Lançamento

O presidente da Federarroz também convidou os públicos das duas palestras para o lançamento da 30º Abertura da Colheita do Arroz, durante a 42º Expointer, na próxima segunda-feira, 26 de agosto, na casa do Irga.




Enviar notícia para um amigo

comentários (3)

22/08/2019 - Aluizio Goulart (Viamão - RS)
Acho q tá faltando um pouco de informação pois os bancos ainda não tem está informação q o presidente da federarroz diz ter mês 07/08 dos custeio pagamento normal. Está é a orientação do meu gerente Pasual vamos parar de iludir os produtores volto a falar estão subistimando a inteligência do produtor sds
22/08/2019 - Aluizio Goulart (Viamão - RS)
Opinião minha federarroz instituição falida sai Dorneles entra velho e tudo continua como está kkkk.
22/08/2019 - Edereson Diehl ( - AC)
BAIXAR IMPOSTO POUCO PODE RESOLVER, O QUE NÃO PODE É IMPOSTO INTERESTADUAL. JÁ QUE DO MERCOSUL VEM LIVRE .P RECISAMOS É DE PRECO QUE CUBRA OS CUSTOS, NÃO ADIANTA FICAR MITIGANDO ESMOLAS. OU DIMINUEM ÁREA, OU PERMANECAM NESSA LENGA LENGA. PQ É MUITA CONVERSA PRA POUCOS RESULTADOS CONCRETOS. O MAIOR PROBLEMA É A MÁFIA DO ATACADO.

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2019 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio