Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
Assine 4

notícias

11.04.2019 | SAFRA - por Cleiton Evandro dos Santos - AgroDados /Revista Planeta Arroz

Conab prevê colheita de 10,65 milhões de toneladas de arroz

Volume é 11,7% menor do que na temporada passada e o Rio Grande do Sul participa com boa parte da retração

 A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou na manhã de hoje o seu sétimo levantamento da safra de grão, e elevou em 17 mil toneladas a previsão de colheita de arroz sobre os números apurados em março, volume insignificante dentro do montante previsto de 10,653 milhões de toneladas a serem colhidas. Frente a safra 2017/18, que colheu 12,064 milhões de toneladas, o organismo governamental manteve a previsão de uma queda de 11,7% em volume, numa área total de 1,705 milhão de hectares. Na temporada anterior a superfície semeada chegou a 1,972 milhão de hectares. O terreno cultivado no Brasil recuou em 13,5%.

Essa retração da produção ocorre em razão da perspectiva de menor produtividade (adversidades climáticas) e de redução de área nos principais estados produtores. Mesmo com uma colheita menor no Rio Grande do Sul, principal produtor brasileiro, o país deve ter uma elevação na produtividade média em 2,1%, para 6.247 quilos por hectare.

A lavoura gaúcha deve colher 7.474 milhões de toneladas, recuando 11,7% no total de grãos produzidos. A área a ser colhida ficou em 1,001 milhão de hectares, encolhendo 7,1% frente os 1,077 milhõa de hectares de 2017/18. O rendimento médio por hectare é estimado em 7.466 quilos, um recuo de 4,9%.

O relatório praticamente estável mantém a expectativa de valorização do grão nesta temporada comercial, com um quadro de oferta e demanda bastante ajustado.

A cultura do arroz é essencial para a segurança alimentar e nutricional para mais da metade da população mundial, além de ser integrante do hábito alimentar da nossa população. Sua produção ocorre em todo o país, mas tem maior concentração na Região Sul do país, que é responsável por mais de 80% da oferta nacional. O arroz tem perdido área ao longo dos anos.

Nas últimas dez safras, a área cultivada com arroz reduziu aproximadamente 38%, sobretudo em áreas de sequeiro, uma vez que o produtor tem optado por culturas mais rentáveis. De acordo com as estimativas da Conab, a área brasileira de arroz, nessa safra, deverá ser 13,5% menor que a área cultivada na safra passada.

Apesar da produção não ter sofrido grandes variações nesse período, o rizicultor nacional tem mantido a produção ajustada ao consumo, incrementando a produtividade com a utilização de um melhor pacote tecnológico. O salto de produtividade entre a safra 2000/01 e 2017/18 foi de 95% (de 3.197 para 6.118 kg/ha). Nesta safra, a produção deverá experimentar redução, estimada em 11,7% quando comparada à safra passada.

Mercado

Em março, o Brasil exportou 158,9 mil toneladas de arroz base casca e importou 78,7 mil toneladas. Sobre os preços comercializados, o Brasil vendeu o arroz branco beneficiado em uma média de US$ 483,37 a tonelada, enquanto os preços de aquisição, principalmente dos nossos parceiros de Mercosul, mantiveram-se em patamar inferior.

Sobre as compras brasileiras de arroz internacional em outubro, o Paraguai, maior exportador para o mercado brasileiro, comercializou 71,2 mil toneladas de arroz base beneficiado em uma média de US$ 333,63 a tonelada de arroz polido. Cabe destacar que o arroz paraguaio continua sendo direcionado, em sua maioria, aos mercados do sudeste brasileiro, com destaque para São Paulo e Minas Gerais.

O consumo foi estimado por meio do fechamento do quadro de suprimento, com a publicação do levantamento dos estoques privados de 646,84 mil toneladas, somados aos estoques públicos de 24,97 mil toneladas no dia 28 de fevereiro de 2018. Para a safra 2017/18 e 2018/19, projeta-se uma retração do consumo interno, ficando em 11,2 milhões de toneladas para ambas as safras.

A balança comercial encerrou com superávit de aproximadamente 865 mil toneladas na última safra em meio a preços nacionais baixos e um câmbio desvalorizado na maior parte do ano passado. Já para a safra 2018/19, estima-se que ocorrerá uma reversão do superávit para deficit na balança comercial, pois a expectativa é de real mais valorizado, menor oferta do grão e, consequentemente, melhores preços internos ao longo de 2019.

Com base no cenário descrito, espera-se estabilidade nos estoques de passagem ao longo de 2018, estimando-se um estoque final de 710,8 mil toneladas, para a safra 2017/18 (fevereiro de 2019). Para a safra 2018/19, em meio a uma estimativa de menor produção, a projeção é de redução nos estoques para 525,6 mil toneladas (fevereiro de 2020).




Enviar notícia para um amigo

comentários (3)

11/04/2019 - Carlos Azambuja (Camaquã - RS)
A Conab e seus prognósticos utópicos, 11,7 % de redução ? alguém ainda acredita nestas previsões ? Os técnicos desta entidade utilizam bola de cristal ou sonhos premonitórios ? metodologia espacial da NASA para fazer os levantamentos ? um dia talvez ''eles'' expliquem os métodos utilizados para tais deliberações, até lá ficaremos céticos e incrédulos com as projeções!!!
11/04/2019 - Flavio Evandro (Santa Maria - RS)
Se os dados da Conab estiverem corretos o preço do arroz não atingirá R$ 45 liquido (descontado cdo e funrural) tipo 1, 60x12, variedade 424, base fronteira-oeste... Se demanda e oferta se equivalem não haverá o tão esperado boommmm dos preços! Ou haverá??? Só digo uma coisa... Muita industria não vai receber suas CPRs esse ano!!! Desespero geral... Avisei...
14/04/2019 - renato ferreira (Pelotas - RS)
Com a aproximacao do final da colheita ja deu para perceber o grotesco erro do IRGA que insiste em colocar uma produtividade igual ano passado quando se tem quebre expressiva em todas as regioes.
Muita gente grande de CPR divulgou colheitas maiores para poder liquidar arroz no inicio da colheita e agora se sabe que vai faltar para pagar as CPR.
Esperem mais uma semana que a realidade vem a tona , industrias ja estao carregando arroz seco em plena safra e arroz subindo 1 real por semana.

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2019 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio