Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
Assine 4

notícias

15.03.2019 | SAFRA - por Fabiane Morais/AgoranoRS

Nova Santa Rita comemora Festa da Colheita do Arroz Agroecológico nesta sexta

imagem Produção estabelece relações de respeito entre seres humanos e os recursos naturais. Foto: Alex Garcia/Divulgação MST

 O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza nesta sexta-feira (15), a partir das 9 horas, a 16ª Festa da Colheita do Arroz Agroecológico. O evento será no Assentamento Santa Rita de Cássia II, em Nova Santa Rita, na região Metropolitana de Porto Alegre, onde vivem 101 famílias.

Atualmente são 363 famílias envolvidas na produção do grão, em 15 assentamentos e 13 municípios gaúchos – Charqueadas, Capela de Santana, Eldorado do Sul, São Jerônimo, Canguçu, Manoel Viana, Tapes, Arambaré, Nova Santa Rita, Viamão, Capivari do Sul, Guaíba e Santa Margarida do Sul.
ADVERTISING

A estimativa é colher aproximadamente 16 mil toneladas na safra 2018-2019, numa área de 3.433 hectares. Já as sementes são produzidas em sete assentamentos em Eldorado do Sul, Viamão, Nova Santa Rita, Tapes e Guaíba.

Duas décadas de cultivo do alimento no RS

O MST, reconhecido pelo Instituto Rio Grandense de Arroz (Irga) como o maior produtor de arroz orgânico da América Latina, completa este ano duas décadas de cultivo do alimento no RS. As primeiras experiências ocorreram em 1999, em pequenas no entorno de Porto Alegre. Hoje são produzidos diversos tipos de arroz, entre eles o cateto, arbóreo, integral, agulhinha, parboilizado, vermelho e preto.

Além da colheita simbólica na lavoura, a festa oficial contará com ato político, feira orgânica, estudo sobre a reforma da previdência e lançamento do livro “A produção ecológica de arroz e a Reforma Agrária Popular”. São esperadas cerca de 1 mil pessoas, entre assentados, amigos do Movimento, autoridades políticas e lideranças populares.

Representantes de sete prefeituras dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro (Itaboraí, Itaguaí, Campinas, São Paulo, Maricá, Ilha Bela e Rio de Janeiro), que adquirem arroz por meio de programas institucionais, e o crítico gastronômico Julio Bernardo, do Boteco do JB, também vão participar das atividades.

Produção que respeita a vida

De acordo com Emerson Giacomelli, coordenador do Grupo Gestor do Arroz Agroecológico, a produção é uma alternativa ao modelo do agronegócio, pois estabelece relações de respeito entre os seres humanos e os recursos naturais. “Usamos técnicas que estimulam a fertilidade do solo e a produção de alimentos saudáveis. Assim, propiciamos mais qualidade de vida aos produtores e consumidores, além de renda aos assentados”, complementa.

Livre de agrotóxicos

As famílias plantam o arroz em sistema pré-germinado. A produção, que é totalmente livre de agrotóxicos, é certificada como orgânica desde 2004. Quando se faz necessário o controle de pragas, são utilizados biofertilizantes, repelentes naturais ou insumos permitidos pela legislação dos orgânicos.

A água também ajuda a combater inços e plantas indesejadas. Já o melhoramento do solo é feito com incorporação de matéria orgânica, como estercos de animais e palhas de arroz, uso de calcário, pó-de-rocha e fosfato natural.

O MST possui unidades próprias de agroindústria para recebimento, secagem, armazenagem e embalagem de arroz, além de unidade de beneficiamento de sementes. Todo o processo produtivo, industrial e comercial é coordenado pela Cootap, que ajuda a organizar a produção das famílias através de associações, grupos informais e quatro cooperativas: Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (Coopan), Cooperativa de Produção Agropecuária dos Assentados de Tapes (Coopat), Cooperativa de Produção Agropecuária de Charqueadas (Copac) e Cooperativa dos Produtores Orgânicos da Reforma Agrária de Viamão (Coperav).

Programação da 16ª Festa da Colheita do Arroz Agroecológico

9h – Recepção ao público e intervenção de boas-vindas
10h – Estudo sobre a “Realidade brasileira e agroecologia: avanços e desafios”, com João Pedro Stédile, da coordenação Nacional do MST
10h45 – Lançamento do livro “A produção ecológica de arroz e a Reforma Agrária Popular”, de autoria de Adalberto Martins, militante Sem Terra e doutor em Geografia
11h às 12h30 – Ato político da Festa da Colheita do Arroz Agroecológico, com a participação de autoridades e convidados
13h – Almoço coletivo
14h – Ato da colheita em lavoura do Assentamento Santa Rita de Cássia II

Serviço

O quê? 16ª Festa da Colheita do Arroz Agroecológico
Quem? Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Quando? 15 de março, sexta-feira, a partir das 9h
Onde? Assentamento Santa Rita de Cássia II, Nova Santa Rita/RS.
Localizado à esquerda da BR-386 no sentido Porto Alegre-Lajeado. Entrada ao lado do posto Valentina, no KM 431. Local estará sinalizado. https://maps.google.com/?q=-29.841974,-51.302387




Enviar notícia para um amigo

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2019 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio