Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
news
assine 3

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
Assine 4

notícias

06.11.2017 | SAFRA

No seu quadrado

Santa Catarina antecipa plantio para colher a soca

 Com limitações de área para plantar e sem o incentivo de preços rentáveis nesta temporada, os arrozeiros de Santa Catarina devem manter praticamente iguais à temporada passada a superfície plantada e a expectativa de produção para a temporada 2017/18. O Centro de Socioeconomia e Planejamento Econômico da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Cepa-Epagri) projeta uma retração de apenas 86 hectares restrita ao Litoral Norte (Itajaí, Blumenau e Joinville), que representa 25% da área total catarinense e onde a exploração imobiliária tem avançado sobre territórios arrozeiros.

Nesta região, muitas lavouras do cedo costumam fazer duas colheitas aproveitando o rebrote, ou soca. E nesta temporada o plantio começou mais cedo, ainda em meados de agosto, porque o inverno foi mais quente e seco. As lavouras do cedo devem ser colhidas em dezembro e o rebrote, 70 dias depois. Ao final de outubro, a área estava praticamente concluída.

Em contrapartida,o plantio nas microrregiões de Ituporanga e Rio do Sul vai crescer. No geral, a orizicultura catarinense terá uma retração de 0,06%, para 148.230 hectares, e a produção deve ter mínima queda, de 0,3%, para 1.172.671 toneladas, principalmente baseada na menor produtividade, de 0,25%, 7.911 quilos por hectare. A semeadura, ao final de outubro, beirava 80% da área prevista.

No Sul Catarinense, que reúne as microrregiões de Araranguá, Criciúma e Tubarão, é cultivado 63% da lavoura orizícola estadual e mais de 75% estava semeada ao final de outubro. A estiagem que afetou o estado em setembro atrasou o plantio em pontos isolados por falta de umidade no solo. Mais de 60% da área catarinense é ocupada pelo sistema pré-germinado, com o cultivo mínimo alcançando perto de um terço da lavoura, segundo fontes locais.

MERCADO
João Alves, economista do Cepa, destaca que os preços médios catarinenses estiveram baixos ao longo de 2017, mas com cotações acima das referências do Rio Grande do Sul. No pico da safra oscilaram entre R$ 39,00 e R$ 40,00 e em setembro já haviam caído para R$ 38,76 de média. Como a indústria catarinense tem potencial para processar 1,6 milhão de toneladas/ano, importa o grão do estado vizinho (90%) e do Paraguai (10%) para completar sua participação no mercado, o que mantém maior estabilidade nas cotações.

Edição 64

publicado na edição

Edição 64
Novembro de 2017

Veja o conteúdo

Disponível
Versão Impressa




Enviar notícia para um amigo

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2019 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio