Facebook

cadastre-se

Na Planeta Arroz os usuários cadastrados têm muitas vantagens. Faça o seu cadastro grátis.

cadastre-se agora
assine 3
news

rss

Na Planeta Arroz você pode conferir as últimas novidades através de Feeds RSS. Confira:

notícias
artigos
Assine 4

notícias

06.11.2017 | MERCADO

Crise evidencia assimetrias do Mercosul

Quebra produtiva em 2016 viabilizou compra externa

Após a quebra substancial na safra 2015/16, os preços do arroz no Brasil permaneceram altos. Os estoques recuaram a 353 mil toneladas no final do ano-safra, suficientes para 11 dias de consumo.

“Os preços internos estavam acima dos internacionais e, com a oferta voltando à normalidade na safra 2016/17, o ajuste teria que acontecer”, explica o analista Élcio Bento, da Safras & Mercado. Em meados de fevereiro, a média no mercado gaúcho era de R$ 49,21/saca e o contrato spot na Bolsa de Chicago era de R$ 31,73/saca (-35%).

No mesmo período, dentro do Mercosul, no CIF de São Paulo, o arroz nacional beneficiado era indicado a R$ 66,00 o fardo de 30 quilos, enquanto o dos países do bloco comercial chegava à praça de consumo na média de R$ 57,78/fardo (-10,94%).

“Sem espaço para competir em mercados atendidos pelos maiores exportadores extra-Ásia (Estados Unidos), os fornecedores da América do Sul foram atraídos pelos preços elevados do Brasil”, resume Bento.

Na colheita do Mercosul, a cotação se ajustou entre março e maio. Mas depois de encerrada houve um segundo movimento de lateralidade, até a segunda quinzena de agosto. Então houve um terceiro movimento que foge ao comportamento sazonal.

É histórico entre agosto e novembro os maiores preços do arroz em casca brasileiro no ano comercial, mas na atual temporada, no entanto, deu-se início a uma retração das cotações, que na média do Rio Grande do Sul se aproximou dos R$ 36,00/saca.

Em algumas regiões, o preço no mercado livre chegou ao nível do mínimo estabelecido pelo governo (R$ 34,97/saca), levando o setor produtivo a pleitear a intervenção governamental.

Apesar das especulações sobre a realização de leilões para retirar 300 mil toneladas do cereal do Rio Grande do Sul, até o início de novembro nenhuma operação foi programada.

Para amenizar a queda das cotações, o setor produtivo solicitou, e foi atendido, a prorrogação de custeios que ocorreriam entre julho e agosto. Em tese, o fôlego financeiro pelo alongamento dos vencimentos possibilitaria ao produtor segurar a oferta e os preços ganhariam força.

Porém, a agressividade de fornecedores externos, como o Paraguai, anulou a firmeza que eventual retração da oferta interna teria nos preços domésticos. O resultado foi que os grandes atacadistas e varejistas tomaram como referência a paridade de importação com o cereal paraguaio para balizar o mercado interno.

Edição 64

publicado na edição

Edição 64
Novembro de 2017

Veja o conteúdo

Disponível
Versão Impressa




Enviar notícia para um amigo

Deixe o seu comentário.
Para isso, é necessário estar logado.

esqueci minha senha enviar

Se você é um novo usuário, faça o seu cadastro gratuitamente.

Todos os direitos reservados - Copyright 2019 - Planeta Arroz

Desenvolvido por dzestudio